Especial Saúde

Erro médico: Aprenda Como se Comportar com o Paciente

A prática médica, como qualquer outra área de trabalho humana está sujeita à erros. O problema consiste em suas consequências, já que o erro médico apresenta-se como uma das principais causas de morte dos pacientes nos Estados Unidos. Por melhores que sejam as intenções do profissional atuante, às vezes sua menor falha poderá resultar em danos irreparáveis. A medicina cobra seu preço.

O erro médico pode ser definido por fatores que podem trazer um desfecho desfavorável ao paciente e que poderiam ser evitados com o uso de técnicas corretas e melhor seguimento de protocolos. Há uma gama de maneiras que o erro médico pode se apresentar:
 
 • Erros na medicação (escolha ou dose)
 • Infecções evitáveis em ambiente hospitalar
 • Atraso em iniciar tratamento
 • Erros técnicos por imperícia

Infelizmente temos uma certeza:  erros médicos acontecerão. Desse modo, é importante que atitudes sejam tomadas visando diminuí-las ao máximo. Podemos incluir protocolos ou criação de programas visando melhor preparo e capacitação de profissionais.

Como se comportar com o paciente

Porém, uma vez que o erro médico ocorreu, como podemos lidar com o paciente? Existem desfechos que a situação pode tomar e uma boa maneira de evitar mais danos para médicos, pacientes e familiares é preparar o profissional da saúde para lidar melhor com o erro médico. O objetivo é permitir com que o médico consiga abordar a situação da melhor forma possível. Separamos algumas dicas:

Comunicação é tudo

A Medicina é uma mistura de ciência com arte, apenas técnica não irá substituir uma boa relação médico-paciente. O profissional deve buscar manter o melhor contato possível com o paciente e familiares desde o início do tratamento. Explicar as condutas, riscos de medicações e procedimentos e perguntar ao paciente “ficou alguma dúvida?”. Estas são maneiras simples de formar um elo de confiança entre as duas partes. Isso vale não apenas no início, mas no processo todo de tratamento.

Não obstante do contato entre o profissional e o cliente, lembre-se que todo o processo de trabalho na área da saúde é multidisciplinar. Por isso, é fundamental manter sempre um fluxo de informações com as outras áreas envolvidas no cuidado com o paciente. A presença de uma boa comunicação diminui a frequência do erro médico.

Assuma e explique

Por vezes o erro médico ocorre mesmo sem a direta culpa do profissional, e sim das condições que o sistema ineficiente oferece. Recomenda-se que o médico busque explicar o ocorrido da forma mais rápida possível ao paciente ou aos familiares.

O medo da represália do paciente após um erro médico é natural, e por vezes ela acontecerá na forma de frustração ou reclamações com o profissional ou com o próprio hospital. Faz parte do contato com pessoas, mas lembre-se: o paciente tem todo o direito de saber o que está sendo feito e o que aconteceu de errado durante o processo do tratamento.

Documente tudo

A faculdade explica a importância de documentar todo o ato médico e informações relevantes no prontuário do paciente, mas talvez a maioria dos profissionais aprenda tarde demais a importância. Manter um banco de dados que narre com detalhes todo o processo de internação, diagnóstico e tratamento do paciente ajuda a delimitar o momento que o possível erro médico ocorreu.

Além disso, protege o profissional da saúde contra acusações por vezes injustas e infundadas feitas pelo paciente ou por advogados acerca da escolha do tratamento: mesmo que o erro médico tenha ocorrido (e isso deverá ser documentado sempre), não é raro a quebra da relação médico-paciente.

Esta cisão pode acarretar um sentimento negativo por parte da pessoa que sofreu com o erro médico, e o prontuário é uma ferramenta justa para os dois lados (médico e paciente).

Aprenda com os erros

Ninguém gosta de errar, especialmente médicos, que trabalham muitas vezes em condições ruins e lidando com vidas. Porém, é necessário extrair algo de útil mesmo após um erro médico, e este algo é o aprendizado específico daquele caso. O que faltou? Seja o erro pela comunicação, pela imperícia, pelo atraso ou outro motivo, aprenda com aquilo e incorpore à sua prática: você verá que dessa forma dificilmente errará daquele modo novamente.

Você curtiu esse post sobre erros médicos? Lembrou de alguma dica importante sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui e compartilhe, com a gente e com nossos leitores a sua opinião.

Referências Bibliográficas:
http://www.hopkinsmedicine.org/news/media/releases/study_suggests_medical_errors_now_third_leading_cause_of_death_in_the_us?preview=true
https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1002/tre.467
Livro: Franca,Genival Veloso de . Direito Médico: 14. ed. Grupo GEN: Editora Forense, 2017

Especial Saúde

Adicionar comentário