Especial Saúde

Veganismo: Entenda a Influência desse Estilo de Vida

O diálogo sobre veganismo e dietas vegetarianas têm crescido bastante nos últimos anos. Apesar de ser um hábito alimentar bem difundido em locais de cultura hindu, evitar o consumo de carne têm sido um assunto comum entre os habitantes  ocidentais atualmente. Enquanto na dia Índia 30% da população é vegetariana, nos EUA apenas 5% possuem uma alimentação vegetariana, sendo 2% veganos.

Dentre as dietas baseadas em produtos de origem vegetal, o veganismo é caracterizado pelo consumo exclusivo de matérias-primas vegetais, seja para a alimentação, vestimentas ou qualquer outra finalidade.

Portanto, pessoas veganas não comem carnes, laticínios, ovos, mel, assim como produtos que contenham ingredientes de origem animal.

Tal prática desperta indagação das pessoas, já que a carne é tida como o principal alimento das refeições. Contudo, sabemos que existem diversos atletas veganos. Isso mostra que é possível ter uma alimentação somente à base de vegetais para adquirir as necessidades protéicas.

Neste intuito, apresentaremos as principais influências de uma alimentação vegana na saúde. Abordaremos alguns aspectos em comparação a indivíduos não-veganos, bem como consequências e benefícios ao se adaptar ao veganismo.

Como os veganos conseguem proteínas?

Essa é uma das perguntas clássicas relacionadas ao veganismo. Não podemos negar que carne, leite e ovos possuem altas quantidades nutricionais de proteína. Porém, diversos outros alimentos possuem nutrientes proteicos suficientes para suprir a necessidade metabólica de qualquer pessoa. Feijão, lentilha, grão de bico, tofu, couve, e diversos grãos e sementes possuem ótima quantidade de proteínas.

A semente de chia fornece todos os aminoácidos essenciais, além de possuir bom conteúdo de ômega-3, o que auxilia na saciedade e é um bom aliado no controle do peso.

Por outro lado, proteínas provenientes de carne, leite e ovos são consumidos juntamente com grandes porções de gordura, seja contida nestes produtos ou nos óleos e manteigas adicionados para cozinhá-los. Portanto, ao evitar o consumo de alimentos de origem animal, o organismo deixa de ingerir altas quantidades de lipídios. E sabemos que a gordura está intimamente ligada ao risco de obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

Veganismo: uma infinidade de benefícios

O veganismo traz muitos aspectos positivos para a saúde, física e mental. Primeiramente, as refeições veganas são mais leves e menos calóricas. Uma das rápidas mudanças que um recém-vegano relata é a disposição presente após realizar uma refeição. Veganos possuem uma digestão mais eficiente e de melhor qualidade. Ainda, o sistema imunológico não é estimulado para combater as proteínas presentes no leite bovino que o corpo humano não reconhece, evitando assim processos inflamatórios.

Por se afastar da ingestão de alimentos gordurosos, os quais estão bastante presentes em produtos de origem animal, o veganismo proporciona que o indivíduo mantenha um metabolismo energético ideal.

Publicações científicas mostram que uma alimentação vegana auxilia no controle da glicemia. Tal controle possibilita não só um balanço de energia eficiente mas também impede o desenvolvimento de condições desfavoráveis, como a diabetes.

É preciso destacar que a nutrição à base de vegetais é um importante fator para ótimas condições sociais e mentais. Não é à toa que a alteração para uma dieta à base de vegetais tenha efeito positivo no controle do estresse, depressão e ansiedade. Adicionalmente, estudos recentes têm sugerido que o veganismo pode ter impactos benéficos no controle do desenvolvimento das Doenças de Alzheimer e Parkinson.

Veganismo no controle da obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares

Diversos estudos demonstram os benefícios que uma alimentação vegana pode ter para controlar e evitar várias doenças. Por exemplo, a obesidade é uma das condições de alto risco para o surgimento de diversas complicações de saúde. Além disso, a obesidade é a maior causa de mortalidade.

Em países ocidentais, veganos possuem menor Índice de Massa Corpórea (IMC) e ganham menos peso quando adultos em comparação a indivíduos não-veganos. Estes dados refletem a menor prevalência de obesidade entre os veganos. Adicionalmente, indivíduos adeptos do veganismo possuem apenas metade do risco de desenvolver diabetes quando comparados a não-veganos.

Alimentos vegetais são fontes ricas de ácidos graxos poli-insaturados, os quais são excelentes controladores do colesterol. Eles podem ser encontrados em óleos vegetais, amêndoas, castanhas e sementes.

Alguns estudos mostram que o risco para doenças cardíacas isquêmicas são menores dentre os veganos. Esta proteção pode ser devido à menor concentração de colesterol ruim, o chamado LDL, presente na dieta à base de vegetais.

Portanto, conheça mais sobre o veganismo e seus benefícios. Além de garantir uma saúde mais equilibrada e de melhor qualidade, as práticas sustentáveis relacionadas a este estilo de vida são de imensa contribuição para o bem-estar de todos.

Você curtiu esse post?  Deixe seu comentário aqui e compartilhe, com a gente e com nossos leitores a sua opinião sobre o assunto e/ou como o veganismo mudou a sua vida.

Referências bibliográficas
Appleby PN and Timothy J. The long-term health of vegetarians and vegans. In: Conferência ‘The future of animal products in the human diet: health and environmental concerns”, Symposium 3: Alternatives to meat. KeyCancer Epidemiology Unit, Nuffield Department of Population Health, University of Oxford, UK, 2016.
Bradbury KE, Crowe FL, Appleby PN et al. Serum concentrations of cholesterol, apolipoprotein A-I and apolipoprotein B in a total of 1694 meat-eaters, fish-eaters, vegetarians and vegans. Eur J Clin Nutr, 2014; 68, 178–183.
Craig WJ e Mangels AR. Position of the American 27. Dietetic Association: vegetarian diets. J Am Diet Assoc, 2009; 109, 1266–1282.
Rosell M, Appleby P, Spencer E et al. Weight gain over 5 years in 21 966 meat-eating, fish-eating, vegetarian, and vegan men and women in EPIC-Oxford. Int J Obes (Lond), 2006; 30, 1389–1396.
Tonstad S, Stewart K, Oda K et al. Vegetarian diets and incidence of diabetes in the Adventist Health Study-2. Nutr Metab Cardiovasc Dis, 2013; 23, 292–299.

Especial Saúde

Adicionar comentário